#fialho

para carlos fialho

(não possuo experiência, sou piegas, só sei falar de “amor”)

 

Fialhinho do meu coração

lance um livro meu

nem que seja

daqueles:

com

uma página só

com

um poema só

com

uma folha só

(look at me):

não tenho classe

para bons-costumes

escrevo estrumes

(pra alguns, exceto pra minha mãe)

por isso

só vão me ler

se você me vender

por favor

fialho

não me deixe

ser big

um fiasco.

#sertão

sertão

lugar habitável

por

gente valente

sertão

é a terra

meu coração

por ser

tão

seco

marcado

de

pegadas

e terra

mal

(tra

ta

da)

por

ser

tão

entregue

ser

tão

hospedaria tua

maria(s)-bonita(s)

que vem

p

    a

       s

s

    a

r

a noite

e

vãoembora

meteno

b

  a

l

a

(pow, pow, pow)

no

ser

tão

seu

que fiz

no meu

sertão

ser-tão

ser

tão

lugar belo

para

ser-tão solitário

ser-tão desconfiado

simplesmente

ser.

(deixar o tão para quem tanto gosta de sofrer).

(Para Octávio Paz)

O amor é a chama

que duplamente arde

dentro do meu peito

.

 

Arde

porque dói

dói

porque é amor

.

 

Amar é sofrer

padecer

é o tempo não eterno

a carência e desejo

(do que tenho e não possuo)

é o motivo da tristeza

que tanto me alegra

.

 

Brota

como espinhosa flor

que cerca

arrocha

aperta

espreme

fura

sangra

o meu coração

.

 

O amor

é aquela flor de sangue:

bela pra quem vê

espinhosa para quem toca

.

#fazerpoético

Não faço poesia

o que lê-se aqui

são as amarguras

do meu amago

(entaladas

trancadas

trancafiadas)

em minha garganta

implorando:

por favor, permita-me sair.

não, não e não”

já afirmei:

“não faço poesia”

                         apenas metaforizo as lágrimas

vestindo-as de palavras.

Elas fingem rimar

combinar

significar

porém apenas são

meus medos

postos em questão.

 

#OlhosDeCarne

A ferida de Deus aberta ainda está.

sangra.

pulsa em amor,

lateja em dor

por todo o povo que o negou.

 

Deus, por um acaso

Tens tu olhos de carne?

 

O verbo

se

fez

carne.

 

O Deus

com sangue de gente.

Um homem

com alma de Deus.

O verbo está encarnado

no madeiro pregado

morrendo de amores pelos seus.

 

A ferida de Deus ainda está aberta.

sangra.

pulsa.

lateja.

Aquela dor,

foi por amor.

 

#meio

não curto coisas pela metade.

coisa boa tem que ser inteira,

meio bom, só chocolate meio amargo,

porque de total amargura

já me basta viver.

se for para vim

que venha,

se achague e

aconchegue-se

mas faça-me o favor

de ser inteira,

 real,

e verdadeira.

não me venha com meios amores,

meios carinhos,

meia metade de você,

porque assim me sinto

metade de mim.

fico

meio confuso.

meio alegre.

meio seguro.

 totalmente amargo

e confuso.

se for pra vim,

venha,

 vista a paixão

de corpo inteiro.

#eva

 

éramos todos nus,

e dentre as folhas

nos vestíamos com a inocência,

extasiados pela beleza do jardim.

cada um possui seu éden,

lugar de amor

lugar de redenção.

todos nus.

caminham em seus jardins,

vestidos pela pureza

querendo simplesmente viver

o enfim.

cada um habita um éden,

cada um tem seu jardim.

lugar de  segurança

e redenção

a qualquer aprendiz.

em cada jardim

há um perigo,

uma tentação,

desilusão,

também vemos buracos

que leva o homem à  queda

sem fim,

traz o pudor e o odor.

motivo vergonha

que esconde a inocência.

cada ser é um jardim,

todo ser habita um éden,

aonde se deveria ter

a mesma devoção

que eva antes de beijar

a bela macieira.