#NotaDe Repúdio

Escrevo-vos agora uma nota.

Nota de repúdio.

Repúdio a mim.

As minhas atitudes.

Demonstro aqui minha inguinação

a tentativa de amar mais as pessoas

do que as coisas.

Repúdio também meu anseio

em deixar de ser burguês

e me tornar um camponês.

Sinto nojo das minhas frustrações

na tentativa de viver verdadeiras amizades

e só viver a sobra do que me oferecem.

Declaro oposição

à vaidade que vive em mim

e se enche quando os elogios ecoam meus ouvidos

decidindo habitar em meu coração.

Me constranjo ao me olhar

e ver que em mim

existe alguém que acredita no amor verdadeiro.

Enfim.

Repudio a mim.

Repudio os sentimentos

que de mim saiam como um vômito

para aromar o mundo colorido e fantástico

em que meu viver se perdeu.

Aceito a realidade

do hoje, do só(L) que queima em nós

da solidão que me faz ser individual.

#muriçoca

Ela só quer saber de me usar,

me chama cochichando,

sussurrando, me pede companhia.

Quando me deito a danada me provoca,

me atiça,

me tira o sono,

só não me excita.

Reclamo se ela vem,

sinto falta se a mesma falta.

Presença dolorosa que arranca meu sangue !

“Ai, sai daqui !”.

Ou ela, ou eu.

“Ai, te mato troço maldita !”.

Suga a parte de mim e vai embora,

me ensina como sugar do outro

só o que me convêm.

“Xô muriçoca…”

Morreu. Matei. Acabou nosso amor. Vou dormir.

Era pra ser muriçoca, mas foi amor.